A mediunidade é uma prática presente em diversas religiões e crenças espirituais. Na Umbanda e no Espiritismo, a mediunidade é uma forma de comunicação com os espíritos e entidades, sendo que ambas as religiões compartilham algumas semelhanças e diferenças em relação a essa prática. Neste artigo, vamos explorar as principais diferenças e semelhanças entre a mediunidade na Umbanda e no Espiritismo, para que você possa entender melhor essas duas vertentes e suas respectivas práticas.

A conexão entre mediunidade e espiritismo na prática da Umbanda

Na Umbanda, a mediunidade é uma prática muito comum e importante. Ela é vista como uma forma de comunicação com os espíritos e é utilizada para ajudar as pessoas que buscam orientações e soluções para seus problemas.

Embora a mediunidade seja uma prática presente em várias religiões, na Umbanda ela está diretamente ligada ao espiritismo. Isso porque a Umbanda é uma religião que incorpora elementos do espiritismo, como a crença na reencarnação e na comunicação com os espíritos.

No espiritismo, a mediunidade é vista como uma ferramenta para a comunicação com os espíritos, que são vistos como seres que já viveram na Terra e que têm conhecimentos e experiências que podem ajudar as pessoas a evoluírem espiritualmente. Já na Umbanda, a mediunidade é vista como uma forma de conexão com os orixás, que são os deuses da religião.

No entanto, é importante destacar que a Umbanda não é uma religião espírita. Embora tenha incorporado alguns elementos do espiritismo, ela tem suas próprias crenças e práticas. Por exemplo, na Umbanda os espíritos são vistos como entidades que são intermediárias entre os seres humanos e os orixás.

Assim, a conexão entre mediunidade e espiritismo na prática da Umbanda é uma questão complexa. Embora a mediunidade esteja presente na Umbanda, ela não é vista da mesma forma como é vista no espiritismo. Na Umbanda, a mediunidade é uma ferramenta para a comunicação com os orixás, e não com os espíritos como no espiritismo.